Volta para casa

Numa noite ventosa de insónia, um homem decide atravessar as estradas do tédio que o levam com destino certo a lugar nenhum.

Vestiu as calças de ganga clara, já violada pelos programas errados da máquina de lavar roupa enferrujada e moldou no calor do tronco suado, uma t-shirt que também lhe serviu de pijama.

Foge alegremente de papéis esvoaçantes, também eles vagabundos e testemunhas desse breu iluminado por acasos.

O mais solitário dos papéis decidiu colar-se ao peito daquela alma. O homem, surpreendido por tal coragem, examinou a quadrícula. Podia simplesmente tê-la amachucado.

Nela leu um sussurro desesperado, feito em cima de um joelho ou num sítio com pouca luz que dizia: – se ligares este número sabes de onde vens e para onde vais.

Tomado por palpitações, examina a retaguarda por cima dos dois ombros e leva a mão ao bolso onde encontra uma moeda.

Girou sobre 180º graus de uma realidade sonâmbula onde descobriu uma cabine com o telefone caído a umas dezenas de metros. Pegou e colou-o ao ouvido sendo subitamente arrepiado por uma voz rouca e saudosa que lhe pediu solenemente que voltasse para casa.

Susteve a respiração. Encaixou o telefone e relacionou o ter chocado de frente com um papel, com um número, que o levou a ouvir uma voz estranhamente familiar.

Decide ligar. Eis que do outro lado da linha se ouve:

– Filho, sou eu outra vez. Volta para casa. Por favor…

Deixa o teu comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s